Buscar
  • PET Eng. de Produção

Equipes de Alta Performance

Atualizado: 26 de Mar de 2018



Os membros do PET Engenharia de Produção, nas férias de julho, participaram da Academia Tigre. Evento que proporcionou vários aprendizados e oportunidades. Além de uma visita técnica na planta de Joinville, foi possível participar de três workshops ministrados por funcionários e gerentes da empresa.

Nesse artigo, falaremos sobre o que foi aprendido em um dos workshops.

Equipes de Alta Performance


Independente da empresa e setor, uma das principais dificuldades de todo gestor é como gerir sua equipe de modo que ela esteja preparada para os principais desafios do dia-a-dia.

Um time que não trabalha com coesão, não opera em plena performance. E o sucesso de uma equipe não é ter apenas pessoas com uma grande capacidade técnica. É preciso ter pessoas que compreendem como se comportar em um ambiente de grupo.

Uma equipe que entende o conceito do que é um time consegue trabalhar com muita eficiência e eficácia. Ademais, a condução de um time, através do líder, parte de alguns princípios importantes que são citados no livro de Patrick Lencioni: Os 5 Desafios das Equipes.

O livro se baseia em uma empresa fictícia chamada DecisionTech. Apesar dessa Startup ter um altíssimo potencial, equipe de executivos extremamente experientes, um plano de negócios irretocável e os investidores mais riscos do Vale do Silício, os resultados eram desastrosos.

Diante disso, a CEO Kathryn Peterson foi contratada para reverter esse quadro.

Através da identificação de cinco disfunções de uma equipe, o autor traz quais desafios precisam ser superados para você construir um time altamente eficaz.

1ª Disfunção: Falta de Confiança


De maneira geral, isso ocorre pela falta de vontade dos integrantes de um grupo de se mostrar vulnerável aos demais membros da equipe. Eles não estão dispostos a admitir seus erros, fraquezas ou necessidades de ajuda.

Isso gera uma barreira que impede a criação de uma base sólida de confiança. E essa incapacidade de se mostrar vulnerável é extremamente prejudicial, pois cria um ambiente propício à segunda disfunção: medo de conflitos.

2ª Disfunção: Medo de Conflitos


E quando não há a confiança em uma equipe, os membros tendem a evitar discussões no dia-a-dia de trabalho. A priori, evitar discussões parece ser algo bom, porém, elas são essenciais para o desenvolvimento da equipe e, consequentemente, da empresa.

Os conflitos saudáveis geram troca de ideias e soluções inovadoras de resolução de problemas. Por outro lado, a ausência destes conflitos é a base para a terceira disfunção: falta de comprometimento.

3ª Disfunção: Falta de Comprometimento


O comprometimento é resultante de dois fatores: clareza e adesão.

Como as pessoas não expressam as suas opiniões em debates abertos por medo de conflitos, os membros raramente aceitam as decisões tomadas e não se comprometem com elas, embora finjam concordar com elas nas reuniões.


4ª Disfunção: Evitar responsabilidade


Quando uma pessoa não está comprometida, ela tende a evitar responsabilidades.

Isso também significa que quando não se comprometem, mesmo com um plano de ação claro, os integrantes de um time hesitam em chamar a atenção de seus pares, mesmo em ações e comportamentos que vão contra os objetivos do grupo.

5ª Disfunção: Falta de atenção aos resultados


A falta do apontamento de responsabilidades entre os membros de uma equipe cria um ambiente propício para a falta de atenção aos resultados.

Esta disfunção ocorre quando os integrantes de um grupo começam a colocar suas próprias necessidades (ego, carreira desenvolvimento, reconhecimento, etc.) à frente dos objetivos coletivos da equipe.

Então, qual é o papel do líder?

  • Criar e proporcionar um ambiente onde a vulnerabilidade não é punida. Este comportamento necessita ser genuíno;

  • Deixar os membros, na medida do possível, resolver conflitos e discussões por si mesmos. Os líderes precisam se conter quando os integrantes entram em conflito e deixar que eles tentem resolver naturalmente;

  • Demonstrar, com seus próprios exemplos, que o conflito poderá ser saudável e produtivo quando existir respeito e maturidade;

  • Encorajar o grupo a encerrar problemas e verificar se a equipe cumpre os prazos determinados;

  • Ser o primeiro e o mais importante mecanismo de responsabilidade no grupo. O líder também precisa ser o árbitro e impor disciplina quando necessário.

  • Preparar a equipe para focar nos resultados. Precisa ser independente e objetivo, além de reservar as recompensas e o reconhecimento para aqueles que fazem contribuições reais na conquista de metas coletivas.

Lidar com os 05 desafios das equipes pode parecer algo simples de se aplicar. Mas algo extremamente difícil de se colocar em prática, pois exige muita disciplina e persistência não só do líder, mas também de toda equipe.

Ter clareza nos objetivos da empresa e conseguir transmitir isso para toda a equipe são os primeiros passos para construir um time de alta performance.

Obrigado pela leitura :)

Escrito por Felipe Futami.

52 visualizações

© Desenvolvido pelo grupo de Marketing 2017.2 e revisado pelo grupo de Marketing 2020.1

  • Black Facebook Icon
  • Black LinkedIn Icon
  • Black Instagram Icon